RELAÇÕES ENTRE OS OBJETOS OSTENSIVOS E OBJETOS NÃO-OSTENSIVOS DURANTE O ENSINO DA GEOMETRIA DO TAXISTA COM O SOFTWARE GEOGEBRA

Autores

  • Luciano Ferreira
  • Rui Marcos de Oliveira Barros

DOI:

https://doi.org/10.17921/2176-5634.2013v6n2p%25p

Resumo

Este artigo traz resultados parciais de uma dissertação concluída no ano de 2011, ele surge de parte das atividades aplicadas a 15 alunos do 4° ano de licenciatura em Matemática de uma Universidade Estadual de uma cidade do noroeste do Paraná com dois objetivos principais: verificarmos a possibilidade de aparecimento de conceitos não científicos (equivocados) advindos dos objetos ostensivos mostrados na tela do computador ao usar o software Geogebra e detectar manifestações de possíveis obstáculos provenientes da constituição de conceitos euclidianos na aprendizagem da Geometria do taxista. A fundamentação teórica utilizada compõem-se da Teoria Antropológica do Didático – TAD (CHEVALLARD, 1999) e da Dialética do policiamento ostensivo e não-ostensivo (Bosh, 2000). Para um tratamento mais aprofundado dos dados, utilizamos a metodologia da análise de conteúdo de Bardin (1977). Nas atividades de laboratório, os alunos receberam instruções impressas minuciosas, inclusive com figuras explicativas, para realizar as atividades. Durante a realização das atividades, os participantes responderam a questões mediante registro escrito e pictórico que foram recolhidos e analisados. Com tal análise, mostramos que o estudo de Geometria não euclidiana, quando feito mediante o uso de software dinâmico (Geogebra), tanto pode ajudar a entender uma nova métrica como ocasionar dúvidas – potenciais obstáculos didáticos – a respeito de princípios geométricos euclidianos.

Downloads

Publicado

2015-06-18

Edição

Seção

Artigos