Construção de gráficos de barras no Ensino Fundamental da Educação de Jovens e Adultos

Autores

  • Izauriana Borges Lima Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática e Tecnológica. PE, Brasil.
  • Ana Côelho Vieira Selva Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática e Tecnológica. PE, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.17921/2176-5634.2020v13n2p162-171

Resumo

Resumo
A importância do ensino da construção de gráficos encontra justificativa na necessidade de desenvolver habilidades específicas ligadas tanto aos seus elementos estruturantes, como a adequação dos dados ao tipo de gráfico e a definição da escala a ser utilizada, quanto à valorização dessa representação como meio de transmitir uma informação. Sendo assim, o objetivo deste estudo foi analisar o desempenho de estudantes do Ensino Fundamental da EJA do município de Jaboatão dos Guararapes-PE em atividades de construção de gráficos de barras a partir de umatabela. Participaram do estudo 88 estudantes do Ensino Fundamental, sendo  44 do Módulo III e 44 do Módulo V. Os resultados evidenciaram a ausência de elementos estruturantes nos gráficos de barras construídos, como o título, entretanto, a maioria apresentou a descrição das categorias e frequências e o uso da linha de base. A construção da escala foi a dificuldade mais evidente. Apesar das dificuldades identificadas verificamos efeito positivo da escolaridade tendo os estudantes do Módulo V construído mais gráficos quando solicitados do que o grupo de estudantes com menor escolaridade. A escolaridade também favoreceu o aprimoramento dos gráficos de barras construídos. Os resultados parecem indicar a necessidade um trabalho mais sistematizado em sala de aula voltado para questões fundamentais da construção de gráficos refletindo-se, sobretudo, a inclusão de elementos básicos necessários para a transmissão da informação e a adequação da escala, pois o desenvolvimento da habilidade de construir uma representação gráfica é parte do componente cognitivo na perspectiva do letramento estatístico do adulto.
Palavras-chave: Letramento. Educação de Jovens e Adultos. Construção. Gráficos de Barras.
Abstract
The importance of teaching the construction of graphs is justified by the need to develop specific skills linked to both its structuring elements, such as the adequacy of the data to the type of graph and the definition of the scale to be used, as to the valorization of this representation as a means of transmitting a information. Therefore, the objective of this study was to analyze the performance of students of the EJA Elementary School in the city of Jaboatão dos Guararapes-PE in activities of building bar graphs from a table. 88 elementary school students participated in the study, 44 from Module III and 44 from Module V. The results showed the absence of structuring elements in the constructed bar graphs, such as the title, however, most presented the description of the categories and frequencies and the use of the baseline. The construction of the scale was the most evident difficulty. Despite the difficulties identified, we verified a positive effect of schooling, with Module V students building more graphics when requested than the group of students with less education. Schooling also favored the improvement of the built bar graphs. The results seem to indicate the need for more systematic work in the classroom focused on fundamental issues of graph construction, reflecting, above all, the inclusion of basic elements necessary for the transmission of information and the adequacy of the scale, as the development of the skill building a graphic representation is part of the cognitive component from the perspective of adult statistical literacy.
Keywords: Literacy. Youth and Adult Education (EJA). Construction. Bar Graphs.

Biografia do Autor

Izauriana Borges Lima, Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática e Tecnológica. PE, Brasil.

Pedagoga. Mestre em Educação Matemática e Tecnológica (UFPE). Coordenadora Educacional da Secretaria Executiva de Educação de Jaboatão dos Guararapes.

Referências

Albuquerque, M. R. G. C. (2010). Como adultos e crianças compreendem a escala representada em gráficos (Dissertação de Mestrado). Centro de Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Alcântara, L. R. (2012). O ensino de conteúdos estatísticos no Projovem Campo – Saberes da terra em Pernambuco (Dissertação de Mestrado). Centro de Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Brasil. Ministério da Educação e Desporto. (2001). Educação para jovens e adultos: ensino fundamental: proposta curricular para o primeiro segmento. São Paulo: Ação Educativa. Brasília, DF, Brasil. Recuperado de http://www.mec.org.br

Brasil. Ministério da Educação e Desporto. (2002). Educação para jovens e adultos: ensino fundamental: proposta curricular para o segundo segmento: 5ª a 8ª série. São Paulo: Ação Educativa. Brasília, DF, Brasil. Recuperado de http://www.mec.org.br

Brasil. Ministério da Educação. (2017). BNCC - Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília, DF, Brasil. Recuperado de http://www.mec.org.br

Cazorla, I. M., & Santana, E. (Organizadoras). (2010). Do Tratamento da Informação ao Letramento Estatístico. Itabuna: Via Litterarum.

Friel, S. N., Curcio, F. R., & Bright, G. W. (2001). Making Sense of Graphs: Critical Factors Influencing Comprehension and Instructional Implications. Journal for Research in Mathematics Education, Vol. 32, Number 2. pp. 124-158.

Gal, I. (2002). Adults' Statistical Literacy: Meanings, Components, Responsibilities. International Statistical Review, 7 0. 1. 1-5 1.

Garfield, J. (2002). The Challenge of Developing Statistical Reasoning. Journal of Statistics Education. Vol. 10, Number 3. pp. 1-12.

Instituto Paulo Montenegro e Ação Educativa. (2016). Indicador de alfabetismo funcional – INAF: estudo especial sobre alfabetismo e mundo do trabalho. São Paulo, SP, Brasil.

Lima, I. B. (2010). Investigando o desempenho de jovens e adultos na construção e interpretação de gráficos (Dissertação de Mestrado). Centro de Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Martins, M. N. P., & Carvalho, C. F. (2018). O ensino de gráficos estatísticos nos anos iniciais. Rencima: Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v.9, n. 2, pp. 247-264.

Morais, P. C. C. C. (2010). Construção, leitura e interpretação de gráficos estatísticos por alunos do 9.º ano de escolaridade (Dissertação de Mestrado). Universidade do Minho, Portugal.

Pernambuco. Secretaria de Educação. (2012). Parâmetros para a Educação Básica do Estado de Pernambuco: Parâmetros Curriculares de Matemática Educação de Jovens e Adultos. Recife, PE, Brasil.

Santos, C. C. (2014). Possibilidades do uso do computador no ensino de gráficos: um estudo em escolas do ProJovem Recife (Dissertação de Mestrado). Centro de Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Soek, A. M., Haracemiv, S. M. C., & Stoltz, T. (2009). Mediação pedagógica na alfabetização de jovens e adultos. Curitiba: Ed. Positivo.

Downloads

Publicado

2020-10-03

Edição

Seção

Artigos