Geometria nos Anos Iniciais: Possíveis Conexões Teóricas e Práticas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17921/2176-5634.2020v13n3p226-254

Resumo

Resumo
O artigo é trabalho de conclusão de um curso de especialização na área de Educação de uma Instituição Federal. Tem como finalidade refletir sobre o ensino de geometria nos anos iniciais do Ensino Fundamental, a partir de referências teóricas, para a instrumentalização de professores como mediadores do processo de construção do conhecimento geométrico. A pesquisa tem abordagem qualitativa, com um estudo bibliográfico baseado em livros e artigos sobre os escritos do casal van Hiele (1957), que propõe cinco níveis de compreensão do pensamento geométrico, além de cinco fases de aprendizagem para o avanço dos estudantes através desses níveis, e de Pais (1996), que destaca quatro elementos fundamentais da geometria: objeto, conceito, desenho e imagem mental. Isso é associado às habilidades e competências desenvolvidas em estudantes, a partir do estudo de geometria e indicadas na Base Nacional Comum Curricular (2018). Destaca-se o papel do professor no ensino de geometria por meio de atividades práticas e contextualizadas, com o uso de materiais concretos, jogos e tecnologias, a fim de apresentar um caminho para o desenvolvimento de habilidades e competências. Nesse sentido, é preciso que os professores tenham conhecimento do conteúdo geométrico para selecionar, construir e sistematizar atividades, que proporcionem a aprendizagem significativa, considerando as teorias de van Hiele e Pais e as propostas da Base Nacional Comum Curricular.

Palavras-chave: Geometria. Anos Iniciais. BNCC. Ensino. Aprendizagem.

Abstract
The article is the conclusion work of a specialization course in Education of a Federal Institution. Its purpose is to reflect on the teaching of geometry in the early years of elementary school, from theoretical references, to instrumentalize teachers as mediators of the process of construction of geometric knowledge. The research has a qualitative approach, with a bibliographic study based on books and articles on the writings of the couple van Hiele (1957), which proposes five levels of understanding of geometric thinking, as well as five learning stages for the advancement of students through these levels, and of Pais (1996), which highlights four Fundamental elements of geometry: object, concept, design and mental image. This is associated with the skills and competences developed in students, from the study of geometry, and indicated in the Common National Curriculum Base (2018). We highlight the role of the teacher in teaching geometry through practical and contextualized activities, using concrete materials, games and technologies, in order to present a path for the development of skills and competences. In this sense, teachers need to have knowledge of geometric content to select, build and systematize activities that provide meaningful learning, considering the theories of van Hiele and Pais and the proposals of the Common National Curriculum Base.

Keywords: Geometry. Early Years. BNCC. Teaching; Learning.

Biografia do Autor

Malcus Cassiano Kuhn, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense - IFSul Câmpus Lajeado/RS.

Doutor em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Luterana do Brasil – ULBRA/Canoas/RS.

Estágio Pós-doutoral no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática – PPGECIM, na Universidade Luterana do Brasil – ULBRA/Canoas/RS.

Professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense – IFSul Câmpus Lajeado/RS.

Chefe do Departamento de Ensino, Pesquisa e Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense – IFSul Câmpus Lajeado/RS.

Coordenador do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Educação e Saberes para os Anos Iniciais do Ensino Fundamental no IFSul Câmpus Lajeado/RS.

Coordenador do Polo UAB do IFSul Câmpus Lajeado/RS.

Membro da Câmara de Ensino do IFSul.

Membro titular da Câmara de Pesquisa, Inovação e Pós-graduação do IFSul, representando a grande área de Ciências Exatas e da Terra.

Membro titular do Conselho Editorial da Editora IFSul.

Membro do Grupo de Pesquisas sobre Formação de Professores de Matemática – GPFPMat.

Líder do Grupo de Pesquisa Estratégias de Ensino para Educação Básica e Profissional.

Bruna Mendel de Quadros, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense - IFSul Câmpus Lajeado/RS.

Licenciada em Pedagogia pela Universidade Luterana do Brasil – ULBRA.

Especialista em Educação e Saberes para os Anos Iniciais do Ensino Fundamental pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense – IFSul Câmpus Lajeado.

Membro do Grupo de Pesquisa Estratégias de Ensino para Educação Básica e Profissional.

Assessora Pedagógica na Secretaria Municipal de Educação de Lajeado/RS.

Referências

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. (2014). Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: Caderno 5 – Geometria. Brasília: MEC/SEB.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. (2018). Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB. Recuperado de http://basenacionalcomum.mec.gov.br/#/site/inicio.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF.

Del Grande, J. J. (1994). Percepção espacial e geometria primária. In Lindquist, M. M., & Shulte, A. P. (Orgs.). Aprendendo e Pensando Geometria (H. H. Domingues, Trad.). São Paulo: Atual.

Gil, A. C. (2017). Como elaborar projetos de pesquisa (6a ed.). São Paulo: Atlas.

Gonçalves, F. A. (2012). Materiais manipulativos para o ensino de figuras planas. São Paulo: Edições Mathema.

Moreira, M. A. (2012). O que é afinal aprendizagem significativa? Qurriculum, (25), 1-27. Recuperado de http://moreira.if.ufrgs.br/oqueeafinal.pdf.

Nasser, L., & Sant’anna, N. P. (1998). Geometria segundo a teoria de van Hiele (2a ed.). Rio de Janeiro: Projeto Fundão, Instituto de Matemática – UFRJ.

Pais, L. C. (1996). Intuição, Experiência e Teoria Geométrica. Zetetiké, v. 4 (6), 65-74. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646739

Pastells, A. A. (2009). Desenvolvimento de competências matemáticas com recursos lúdico-manipulativos: para crianças de 6 a 12 anos (22a ed.). Curitiba, PR: Base Editorial.

Pavanello, R. M. (2009). O abandono do ensino da geometria no Brasil: causas e consequências. Zetetiké, 1 (1), 7-18. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646822

Pires, C. M. C., Curi, E., & Campos, T. M. M. (2000). Espaço e Forma: A Construção de noções geométricas pelas crianças das quatro séries iniciais do Ensino Fundamental. São Paulo: PROEM.

Prodanov, C. C., & Freitas, E. C. (2013). Metodologia do trabalho científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico (2a ed.). Novo Hamburgo: FEEVALE.

Smole, K. S., Diniz, M. I., & Cândido, P. (2007). Jogos de matemática de 1º a 5º ano. Porto Alegre: Artmed.

Downloads

Publicado

2021-01-12

Edição

Seção

Artigos