Um Estudo Sobre Interpretações e Representações de Números Racionais em uma Escola Pública de Educação de Surdos em Santa Maria/RS

Autores

  • Tainara da Silva Guimarães Universidade Federal de Santa Maria, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Matemática. RS, Brasil.
  • Rita de Cássia Pistóia Mariani Universidade Federal de Santa Maria, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Matemática. RS, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.17921/2176-5634.2021v14n2p229-240

Resumo

Resumo
O presente trabalho parte da seguinte questão: quais entendimentos são mobilizados por estudantes surdxs em tarefas sobre números racionais utilizando o material manipulável tangram? Diante disso, tem-se por objetivo analisar registros de representação semiótica mobilizados por estudantes surdxs do 1º ano do Ensino Médio, em uma escola estadual bilíngue de Santa Maria/RS, considerando uma sequência de tarefas envolvendo números racionais nas interpretações parte-todo, medida e operador. Para tanto, caracteriza-se como uma pesquisa qualitativa na forma de um estudo de caso com produção de dados orientada pelos princípios da análise de conteúdo. Nessa perspectiva constitui-se quatro categorias: parte-todo, equivalência, medida e operador. Quanto a parte-todo constata-se que a partir da conversão da representação figural icônica para numérica fracionária, sua compreensão deu-se principalmente. Na equivalência de números racionais verifica-se a relevância de tratamentos figurais na representação icônica, por meio da mobilização de registros das peças do tangram. Em relação a medida conclui-se que houve compreensão no espaço unidimensional, ao identificar os números racionais correspondentes aos valores das áreas abordadas como a distância de um certo ponto até a origem na reta numérica, e no espaço bidimensional, a partir da medida da área de figuras. No operador, observa-se reduções de áreas de figuras geométricas quadradas, evidenciando tratamentos figurais na representação icônica. Por fim, destaca-se ampliação do repertório linguístico dxs estudantes referentes aos conceitos/conteúdos matemáticos, tendo em vista a convenções de sinais institucionalizados durante a dinamização da sequência.

Palavras-chave: Educação de Surdos. Ensino Médio. Tangram. Parte-Todo. Medida. Operador.

Abstract
The present paper starts from the following question: what understandings are mobilized by deaf students in tasks about rational numbers using the manipulable tangram material? Therefore, the objective is to analyze semiotic representation records mobilized by deaf students of the first year of high school, in a bilingual state school in Santa Maria/RS, considering a sequence of tasks involving rational numbers in the interpretations part-whole, measure and operator. For this purpose, it is characterized as a qualitative research in the form of a case study with data production guided by the principles of content analysis. From this perspective, four categories are constituted: part-whole, equivalence, measure and operator. As for the whole-part it is found that from the conversion of the iconic figural representation to fractional numerical, its understanding took place mainly. In the equivalence of rational numbers, the relevance of figurative treatments in iconic representation is verified through the mobilization of records of tangram pieces. With respect the measurement, it can be concluded that there was understanding in one-dimensional space, by identifying the rational numbers corresponding to the values of the approached areas as the distance from a certain point to the origin in the numerical line, and in two-dimensional space, from the measurement of the area of figures. In the operator, there are reductions in areas of square geometric figures, showing figurative treatments in the iconic representation. Finally, we highlight the expansion of the linguistic repertoire of students referring to mathematical concepts/contents, in view of the conventions of institutionalized signals during the dynamization of the sequence.

Keywords: Deaf Education. High School. Tangram. Part Whole. Measure. Operator.

Biografia do Autor

Tainara da Silva Guimarães, Universidade Federal de Santa Maria, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Matemática. RS, Brasil.

Possui licenciatura em Matemática pela Universidade Federal de Santa Maria (2017). Mestra em Educação Matemática (2019) pela Universidade Federal de Santa Maria.

Rita de Cássia Pistóia Mariani, Universidade Federal de Santa Maria, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Matemática. RS, Brasil.

Possui graduação em Matemática- Licenciatura (1997) pela Universidade Federal de Santa Maria, mestrado em Educação (2000) pela mesma instituição e doutorado em Educação Matemática (2006) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atualmente é professora associada da Universidade Federal de Santa Maria. Tem experiência na área de Educação Matemática atuando principalmente no ensino e na aprendizagem de Matemática na educação básica e no ensino superior, bem como na formação de professores que ensinam Matemática.

Referências

Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Beras, J. J., & Lunardi-Lazzarin, M. L. (2018). Produções culturais surdas no contexto da educação bilingue. Revista Brasileira de Iniciação Científica. Itapetininga, 4 (5), 152-162.

Brandão, F. (2011). Dicionário Ilustrado de Libras - Língua Brasileira de Sinais. Campina Grande: Global.

Brasil. (2005). Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n. 10.436 de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais, e o art. 18 da Lei n. 10.098. Diário Oficial da União. Brasília.

Brasil. (2002). Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília.

Brasil. (2008). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP.

Brasil. (2014). Ministério da Educação. Secretaria da Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Relatório sobre a Política Linguística de Educação Bilíngue – Língua Brasileira de Sinais e Língua Portuguesa. Brasília: MEC/SECADI.

Brasil. (2018a). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Base Nacional Comum Curricular (Educação Infantil e Ensino Fundamental). Brasília: MEC.

Brasil. (2018b). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Base Nacional Comum Curricular (Ensino Médio). Brasília: MEC.

Campos, T. M. M., & Silva, A. F. G. (2009). Conhecimento profissional docente de professoras das séries iniciais da Educação Básica acerca da equivalência de números racionais na representação fracionária em um processo de formação continuada. Revemat: Revista Eletrônica de Educação Matemática. Florianópolis, 4 (1), 114-127.

Campos, T. M. M., Magina, S., & Nunes, T. (2006). O professor polivalente e a fração: conceitos e estratégias de ensino. Educação Matemática em Pesquisa, 8 (1), 125-136.

Capovilla, F. C., & Raphael, W. D. (2008). Dicionário enciclopédico ilustrado trilíngue da Língua de Sinais Brasileira. 3. Ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Coutinho, M. D. M. C. (2015). A constituição de saberes num contexto de educação bilíngue para surdos em aulas de matemática numa perspectiva de letramento. 268 p. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Duval, R. (2003). Registros de representações semióticas e funcionamento cognitivo da compreensão em matemática. In: Machado, S. D. A., (org.). Aprendizagem em matemática – registros de representação semiótica. Campinas, SP: Papirus.

Duval, R. (2011). Ver e ensinar a matemática de outra forma: entrar no modo matemático de pensar: os registros de representação semiótica. Trad Dias, Marlene Alves. São Paulo: PROEM.

Duval, R. (2012a). Abordagem cognitiva de problemas de geometria em termos de congruência. Tradução: Méricles Thadeu Moretti. Revemat: Revista Eletrônica de Educação Matemática. Florianópolis, 7 (1), 118-138.

Duval, R. (2012b). Registro de representações semióticas de funcionamento cognitivo do pensamento. Tradução: Méricles Thadeu Moretti. Revemat: Revista Eletrônica de Educação Matemática, Florianópolis, 7 (2), 266-297.

Escola Estadual. (2018). Secretária do Estado da Educação. Projeto Político Pedagógico. Santa Maria.

Feneis. (1999). Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos. A educação que nós surdos queremos. Documento elaborado pela comunidade surda a partir do pré- congresso ao V Congresso Latino Americano de Educação Bilíngue para Surdos, realizado em Porto Alegre/RS, no salão de atos da reitoria da UFRGS, nos dias 20 a 24 de abril de 1999.

Frizzarini, S. T. (2014). Estudo dos registros de representação semiótica: implicações no ensino a aprendizagem da álgebra para alunos surdos fluentes em língua de sinais. 288 p. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência e Matemática) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá.

Guerreiro, H.G., Serrazina, L., & Ponte, J. P. (2018). Uma trajetória na aprendizagem dos números racionais através da percentagem. Educação Matemática Pesquisa, 20 (1), 359-384.

Guimarães, T. S. (2017). Uma análise das representações semióticas mobilizadas em atividades sobre as interpretações do número racional com Frac-Soma 235 no Ensino Médio. 85 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Matemática) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

Guimarães, T. S., & Mariani, R. C. P. (2018). Os registros de representações semióticas em atividades sobre a interpretação medida do número racional no Ensino Médio utilizando Frac-Soma 235. In: Anais do XV Encontro Gaúcho de Educação Matemática, VI Escola de Inverno de Educação Matemática, 4º Encontro Nacional do PIBID Matemática. Santa Maria, RS, Brasil.

Kipper, D. (2015). Práticas matemáticas visuais produzidas por alunos surdos: entre números, letras e sinais. 156 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul.

Lamon, S. J. (2007). Rational Numbers and Proportional Reasoning: Toward a Theoretical Framework for Research. In: LESTER, F. K. (org.). Second Handbook of Research on Mathematics Teaching and Learning: a Project of the National Council of Teachers of Mathematics. Charlotte: IAP/NCTM.

Lamon, S. J. (2012). Teaching fractions and ratios for understanding: Essential contente knowledge and instructional strategies for teachers. 3th edition. New York: Routledge.

Lemes, D. C. M. (2014). Ensino de Matemática no contexto da LIBRAS: prática e reflexões. 118 p. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) – Universidade Luterana do Brasil, Canoas.

Lorenzato, S. (2006). Laboratório de ensino de matemática e materiais didáticos manipuláveis. In: Lorenzato, Sergio. (Org.). O laboratório de ensino de matemática na formação de professores. Campinas: Autores Associados.

Lüdke, M., & André, M. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Moreira, P. C., & Ferreira, M. C. C. (2008). A teoria dos subconstrutos e o número racional como operador das estruturas algébricas às cognitivas. Bolema, 21 (31), 103-127.

Morgado, A. S., Santos, R. S., & Takinaga, S. S. (2016). Sugestão de alguns materiais para o ensino e aprendizagem para inclusão. In: Manrique, Ana Lúcia. Maranhão, Maria Cristina Souza de Albuquerque. Moreira, Geraldo Eustáquio. (Org.). Desafio da Educação Matemática Inclusiva: práticas. São Paulo: Livraria da Física.

Nascimento, L. S. A. (2014). Literatura infantil e alfabetização matemática: Construção de sentido na leitura de Enunciados matemáticos por crianças surdas dos anos iniciais do ensino fundamental. 143 p. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Instituto Federal do Espírito Santo, Vitória.

Neves, M. J. B. (2011). A Comunicação em Matemática na sala de aula: obstáculos de natureza metodológica na educação de alunos surdos. 131 p. Dissertação (Mestrado em Ciências e Matemáticas) – Universidade Federal do Pará, Belém.

Quadros, R.M. (1997). Educação de Surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artmed.

Santos, C. H., &Imenes, L. M. (1987). Tangram: Um Antigo Jogo Chinês nas Aulas de Matemática. Revista do Ensino de Ciências, (18), 42-49.

Santos, M. C. C. (2015). Investigação matemática em sala de aula: uma proposta para a inclusão do aluno surdo no ensino regular. 154 p. Dissertação (Mestrado em Educação para Ciências e Matemática) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, Jataí.

Silva, E. L. (2014). Luz, câmera, ação: adaptando uma teleaula de frações para o público surdo. 162 p. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) - Universidade Anhanguera de São Paulo, São Paulo.

Silva, E. L., & Assis, C. (2013). O que falta no ensino de números racionais para alunos surdos? In: Anais do XI Encontro Nacional de Educação Matemática: Retrospectivas e Perspectivas, Curitiba, PR, Brasil.

Silva, M. J. F., & Almouloud, S. A. (2018). Números racionais: concepções, representações e situações. In Oliveira, G. P. (Org.) Educação Matemática epistemologia, didática e tecnologia. São Paulo: Livraria da física.

Soares, M. A. S. (2016). Proporcionalidade um conceito formador e unificador da Matemática: uma análise de materiais que expressam fases do currículo da Educação Básica. Tese (Doutorado em Educação nas Ciências) – Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí, RS.

Souza, F. R. (2010). Exploração de frações equivalentes por alunos surdos: uma investigação das contribuições da musicalcolorida. 166 p. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Universidade Anhanguera de São Paulo, São Paulo, SP.

Souza, L. J. (2016). Representações do conjunto dos números reais mobilizadas por alunos do CTISM/UFSM com o Tangram. 40 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Matemática) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

Downloads

Publicado

2021-09-27

Edição

Seção

Artigos