Ensino e Aprendizagem da Matemática por Meio dos Jogos Digitais: uma Proposta Colaborativa no Laboratório de Informática

Autores

  • Lisandra Costa Pereira Kirnew UNOPAR
  • Luciane Guimarães Batistella Bianchini UNOPAR
  • Nielce Meneguelo Lobo da Costa Universidade Anhanguera
  • Luciana Michele Ventura UNOPAR

DOI:

https://doi.org/10.17921/2176-5634.2020v13n3p343-352

Resumo

Resumo
A disciplina de Matemática é considerada difícil por muitos alunos, sobretudo para os encaminhados para atendimentos de reforço por apresentarem dificuldades que resultam em seu baixo desempenho. Um recurso atual para aprendizagem matemática está na integração deste conteúdo ao uso de tecnologias digitais, pois, além de promover diferentes possibilidades de aplicação por parte do professor, desperta o interesse dos alunos da geração atual. No entanto, na maioria das escolas que possuem computadores encontram-se professores não preparados para a integração das tecnologias aos processos de ensino e aprendizagem, restringindo-se as atividades à disciplina de Informática. Apoiado na teoria piagetiana sobre a construção do conhecimento, o presente estudo objetivou conhecer as percepções de três professores e sete alunos (5º ano) sobre o uso dos jogos digitais e o ensino colaborativo para aprendizagem matemática. A pesquisa caracterizada como qualitativa ocorreu em quatro etapas: E1 - avaliação diagnóstica; E2 - aplicação de questionário antes da intervenção; E3 - aplicação da proposta (oito seções); e E4 - aplicação de questionário após a intervenção. Os resultados indicaram que tanto professores quanto alunos consideram efetivo o uso de jogos digitais e ensino por colaboração entre as disciplinas. Os alunos enfatizaram a experiência como divertida, diferente e legal. Concluiu-se que propostas colaborativas entre os professores com o uso de tecnologias são relevantes na prática educativa e fundamentais para que o conhecimento seja construído de modo compartilhado na escola.

Palavras-chave: Ensino Colaborativo. Aula de Informática. Tecnologias digitais. Matemática.

Abstract
Mathematics is considered to be a difficult subject-matter by many students, mainly for those directed to reinforcement care due to the fact that they present difficulties resulted from their low achievement. A current resource for learning mathematics is the integration of that content with the use of digital technologies, since, besides furthering different application possibilities on the teacher’s part, it arouses the interest of current generation students. However, in most of the schools which have available computers one finds out teachers who are not prepared for the integration of technologies with the processes of teaching and learning, being the activities restricted to the IT subject-matter. Based on Piaget’s theory about the working up of knowledge, this study was carried out to learn about the perception of three teachers and seven students (5th graders) on the use of digital games and the cooperative teaching for the purpose of learning mathematics. The research characterized as a qualitative one was carried out in four phases: E1- diagnostic assessment; E2 application of a questionnaire before the intervention; E3applicationof the proposal (eight sections); and E4 – application of a questionnaire after the intervention. The results showed that both the teachers and the students considered the use of digital games and the cooperation between the subject-matters as an effective tool. The students considered the experience as funny, different and cool. One came to the conclusion that cooperative proposals carried out among teachers with the use of technologies are relevant in the educational practice and basic for the working up of knowledge fully shared in schools

Keywords: Cooperative learning. IT classroom. Digital Technologies. Mathematics.

Biografia do Autor

Lisandra Costa Pereira Kirnew, UNOPAR

Licenciada em Informática pela Faculdade de Tecnologia - Sorocaba. Graduada em Superior de Tecnologia em Processamento de Dados pela Universidade de Marília. Graduada em Pedagogia pela Universidade Luterana do Brasil. Especialista em Tecnologias para Aplicações Web, pela UNOPAR - Universidade Norte do Paraná. Especialista em Gestão Escolar pela FALC - Faculdade da Aldeia de Carapicuiba. Professora de informática da Prefeitura Municipal de Palmital na Educação Infantil e Ensino Fundamental I, Professora no Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza, no Ensino Técnico Integrado ao Médio e nos Cursos Técnicos. Mestre em Metodologias para o Ensino de Linguagens e suas Tecnologias (UNOPAR - Londrina).

Luciane Guimarães Batistella Bianchini, UNOPAR

Docente titutar do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu da UNOPAR- Metodologias para o Ensino de Linguagens e suas Tecnologias.Pós-Doutora e Doutora em Psicologia - linha: psicologia educacional, pelo Programa de Pós-Graduação da Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho e bolsista pela Fapesp. Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Londrina. Especialista em Educação Especial, Estimulação Precoce, Psicopedagogia Institucional e Clínica. Possui graduação em Pedagogia. Experiência na Educação Básica , Superior e pós Graduação na área de Educação, com ênfase em Psicologia do Desenvolvimento, atuando principalmente nos seguintes temas: Perspectiva Piagetiana sobre o desenvolvimento Intelectual, Afetivo e Moral.Fracasso escolar, Práticas educativas inclusivas e intervenções por meio de jogos e diferentes linguagens em ambientes virtuais para alunos com ou sem necessidades educacionais especiais.

Nielce Meneguelo Lobo da Costa, Universidade Anhanguera

É licenciada em Matemática pela Universidade de São Paulo (1973) e Pedagoga formada pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de São Bernardo do Campo (1985), com habilitação em Administração Escolar e Orientação Educacional. É mestre em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1997) e doutora em Educação (Currículo) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2004). Atualmente é docente e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, stricto sensu, da Universidade Anhanguera de São Paulo e Vice-coordenadora do Comitê de ética em Pesquisa da UNIAN/SP. Avaliadora de cursos de graduação (CEESP) desde 2008.Tem experiência na área de Educação, tendo participado de diversos projetos de formação de professores e de gestores escolares. Coordenou projeto financiado pela Capes no Programa Observatório da Educação.Na área de Educação Matemática tem atuado em tecnologia educacional - principalmente na formação de professores que ensinam matemática e na educação tecnológica.

Luciana Michele Ventura, UNOPAR

Licenciada em Sistemas e Tecnologias da Informação pela Faculdade de Tecnologia de Ourinhos (FATEC), graduação em Pedagogia pela Universidade Nove de Julho (UNINOVE), Especialização em Educação à Distância: Tutoria, Metodologia e Aprendizagem (Sociedade Civil de Educação Continuada - Educon), Tecnologias para Aplicações Web (Universidade Norte do Paraná - UNOPAR), Mestre em Metodologias para o Ensino de Linguagens e suas Tecnologias (UNOPAR), Doutoranda em Metodologias para o Ensino de Linguagens e suas Tecnologias (UNOPAR). Atualmente, é docente no curso Técnico em Informática para Internet Integrado ao Médio, docente e coordenadora no Curso Técnico em Informática para Internet na Etec Prof. Mário Antônio Verza - Centro Paula Souza (CEETEPS). Tem experiência na área de Informática na Educação Básica no Ensino Fundamental I, Ensino Técnico Integrado ao Médio e Ensino Técnico. 

Referências

Belloni, M. L., & Gomes, N. G. (2008). Infância, mídias e aprendizagem: autodidaxia e colaboração. Educação & Sociedade, 29(104), 717-746.

Bettega, M. H. S. (2004). A Educação continuada na era digital. São Paulo: Cortez.

Bianchini, L. G. B., Nantes, E. A. S., & Arruda, R. B. (2016). Processos de instrumentalização da leitura e escrita na era midiática: da decodificação à ubiquidade do leitor. Blucher Social Sciences Proceedings, 2(4), 553-561.

Bianchini, L. G. B., & Vasconcelos, M. S. (2014). Significação e sentimentos dos alunos quando erram na matemática. Psicologia da Educação, 38, 63-71. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/psie/n38/n38a06.pdf

Bittar, M. (2010). A Escolha do Software Educacional e a Proposta Didática do Professor: estudo de alguns exemplos em matemática. In W. Beline, N. M., & Lobo da Costa (Orgs.), Educação Matemática, tecnologia e formação de professores: algumas reflexões (pp. 215-242). Campo Mourão: Editora FECILCAM, 2010.

Brasil. (1997). Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: matemática. Brasília: MEC/SEF. Disponível em http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro03.pdf

Brasil. (2008). Ministério da Educação. PDE - Plano de Desenvolvimento da Educação: Prova Brasil: Ensino Fundamental: matrizes de referência, tópicos e descritores. Brasília: MEC, SEB; Inep.

Brasil. (2013). Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares. Brasília: MEC/SEB/DICEI. Disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15548-d-c-n-educacao-basica-nova-pdf&category_slug=abril-2014-pdf&Itemid=30192

Bueno, J. L. P., Pacífico, J. M., & Pretto, N. de L. (2015). Tecnologias na Educação: políticas, práticas e formação docente. Florianópolis: Pandion.

Busarello, R. I., Bieging, P., & Ulbricht, V. R. (2015). Sobre Educação e Tecnologia. São Paulo: Pimenta Cultural.

Carmo, J. do S., & Simionato, A. M. (2012). Reversão de ansiedade à matemática: alguns dados da literatura. Psicologia em Estudo, 17(2), 317-327. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722012000200015&lng=en&nrm=iso

Fagundes, L. (2007). O professor deve tornar-se um construtor de inovações – entrevista. Midiativa. Disponível em http://www.midiativa.org.br/index.php/educadores/layout/set/print/content/view/full/1053/

Furlanetto, F. R. (2013). O movimento de mudança de sentido pessoal na formação inicial do professor. (Tese de doutorado, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo).

Kenski, V. M. (2007). Educação e Tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas: Papirus. (Coleção Papirus Educação).

Lévy, P. (2009). Cibercultura (C. I. da Costa, Trad.). São Paulo: Editora 34.

Lobo da Costa, N. M., & Prado, M. E. B. B. (2015). A Integração das Tecnologias Digitais ao Ensino de Matemática: desafio constante no cotidiano escolar do professor. Perspectivas da Educação Matemática - UFMS, 8(16), 99-120.

Lobo da Costa, N. M., Prado, M. E. B. B., & Duarte, A. R. S. (2016). Trajetória de um Grupo de Professores de Matemática: ensinando e aprendendo em colaboração. Zetetike, 24(3), 322-343.

Macedo, L. (Org.). (2009). Jogos, Psicologia e Educação: teoria e pesquisas. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Macedo, L. (1995). Os jogos e sua importância na escola. Cadernos de Pesquisa, (93), 5-10.

Macedo, L., Petty, A. L. S., & Passos, N. C. (2007). Os Jogos e o Lúdico na Aprendizagem Escolar. Porto Alegre: Artmed.

Martins, A., Bianchini, L. G. B., & Yaegashi, S. F. R. (2017). Webquest e a afetividade presente na construção de conhecimento matemático por alunos do ensino médio. Bolema, 31(57), 289-309.

Mattar, J. (2010). Games em educação: como os nativos digitais aprendem. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Moraes, M. C. (2007). O Paradigma Educacional Emergente (13a ed.). Campinas: Papirus.

Moran, J. M. (2009). Novas Tecnologias e Mediação Pedagógica (16a ed.). Campinas: Papirus.

Moura, M. O. de. (2006). A atividade de ensino como ação formadora. In A. M. P. de Carvalho, & A. D. de Castro (Orgs.), Ensinar a ensinar: didática para a escola fundamental e média (pp. 143-162). São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Oliveira, C. C. de, Costa, J. W. da, & Moreira, M. (2001). Ambientes Informatizados de Aprendizagem – Produção e avaliação de software educativo. Campinas: Papirus.

Piaget, J. (1998). A Psicologia da criança. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Prensky, M. (2001). Nativos digitais, imigrantes digitais. On the horizon, 9(5),

-6.

Rosado, J. R. (2006). História do jogo e o game na aprendizagem. Disponível em http://www.comunidadesvirtuais.pro.br/seminario2/trabalhos/janaina.pdf.

Short, D. (2012). Teaching scientific concepts using a virtual worls – Minecraft. Teching Science – The Journal of the Australian Science Teachers Association, 58(3), 55-58.

Starepravo, A. R., Bianchini, L. G. B., Macedo, L. de, & Vasconcelos, M. S. (2017). Autorregulação e situação problema no jogo: estratégias para ensinar multiplicação. Psicologia Escolar e Educacional, 21(1), 21-31. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pee/v21n1/2175-3539-pee-21-01-00021.pdf

Valente, J. A. (1993). Por que o Computador na Educação. In J. A. Valente (Org.), Computadores e Conhecimento: Repensando a Educação (pp. 24-44). Campinas: NIED/UNICAMP.

Valente, J., Almeida, M. E. B., & Geraldini, A. F. S. (abr./jun. 2017). Metodologias ativas: das concepções às práticas em distintos níveis de ensino. Revista Diálogo Educacional, 17(52), 455-478.

Wordclouds. Site Nuvem de Palavras. Disponível em https://www.wordclouds.com/

Downloads

Publicado

2021-01-12

Edição

Seção

Artigos