Sobre a Docência em Matemática: a Potência das Autobiografias no Espaço Formativo do PIBID

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17921/2176-5634.2019v12n1p106-111

Resumo

Este artigo apresenta discussões no ambiente do PIBID Matemática Presencial da UFMS realizadas a partir da produção de autobiografias desses professores em formação. Com o objetivo de explicitar a potência desse instrumento para a formação de professores de Matemática, são evidenciados diferentes pontos de estudo a partir de um trabalho realizado com um grupo de 9 bolsistas PIBID. A diversidade temática, bem como a explicitação de experiências (enquanto alunos) com a docência no Ensino Básico torna evidente a importância de se problematizar essas questões em cursos de Licenciatura de forma a desnaturalizar alguns modos de ver/agir na profissão docente.

 

Palavras-chave: Autobiografia. Formação de Professores. Problematização

 

Abstract

This article presents discussions in the environment of Institutional Program for Scholarships for Initiation in Teaching Mathematics of the Federal University of Mato Grosso do Sul, realized from the production of autobiographies of these teachers in their initial education. With the purpose of explaining the power of this instrument for the initial mathematics teacher education, different points of the study are evidenced by a work carried out with a group of 9 scholarship holders. The thematic diversity, as well as the explication of experiences (as students of Elementary and Middle School) with teaching makes evident the importance of problematizing these issues in undergraduate courses in order to denature some ways of seeing and acting in the practices professional.

 

Keywords: Autobiography, Teacher Education, Problematization.

Biografia do Autor

Luzia Aparecida de Souza, Instituto de Matemática. MS, Brasil.

Doutora em Educação Matemática pela Unesp de Rio Claro. Membro do GHOEM e coordenadora do Grupo HEMEP- História da Educação Matemática em Pesquisa. Professora do Instituto de Matemática da UFMS, Campo Grande e coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática.

Maycon Douglas Ferreira, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. MS, Brasil.

Mestre em Educação Matemática pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Referências

Cunha, M.I. (1997). Conta-me agora! As narrativas como alternativas pedagógicas na pesquisa e no ensino. Revista da Faculdade de Educação, v.23, n.1-2, p.185-195.

Gallo, S. (2012). Educação, devir e acontecimento: para além da utopia formativa. Educação e Filosofia, 26, 41-72.

Garnica, A. V. M. (1997). Algumas notas sobre pesquisa qualitativa e fenomenologia. Interface — Comunicação, Saúde, Educação,1(1).

Gomes, M. L. M. (2012). Escrita autobiográfica e história da educação matemática. Bolema. Boletim de Educação Matemática, 26, 105-138.

Hall, S. (2003). Quem precisa da Identidade? Petrópolis: Vozes.

Lins, R. C. (1999). Por que discutir teoria do conhecimento é relevante para a Educação Matemática. In: M. A. V. Bicudo. Pesquisa em educação matemática: concepções e perspectivas (pp.75-96). São Paulo: UNESP.

Silva, H. (2006) Centro de educação matemática (CEM): fragmentos de identidade. Rio Claro: Universidade Estadual Paulista.

Silva, T. T. (2000) Identidade e diferença. Rio de Janeiro: Vozes.

Silva, T. T. (2013) A produção social da identidade e da diferença. Petrópolis: Vozes.

Souza, E. C. (2008) (Auto)biografia, identidades e alteridade: modos de narração, escritas de si e práticas de formação na pós-graduação. Revista Fórum Identidades, 4,37-50.

Souza, L. A. (2013). Narrativas na investigação em História da Educação Matemática. Revista de Educação, 18, 259-268.

Woodward, K. (2000) Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes.

Downloads

Publicado

2019-04-30

Edição

Seção

Artigos