Material Manipulativo na Prática Docente em Matemática: Percepções dos Bolsistas do PIBID

Autores

  • Michele Brancaglione de Oliveira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Campus Caxias do Sul. RS. Brasil
  • Kelen Berra de Mello Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Campus Caxias do Sul. RS. Brasil

DOI:

https://doi.org/10.17921/2176-5634.2019v12n1p67-82

Resumo

Este trabalho objetiva analisar as contribuições que o uso de materiais manipuláveis durante o Pibid trouxe para a prática docente em Matemática dos bolsistas, com a intenção de promover reflexões sobre a formação de professores de Matemática. Nesse contexto, procura-se identificar quais são as percepções geradas pelos bolsistas durante a participação no programa e na prática docente sobre os materiais manipuláveis. Assim, primeiramente disserta-se a respeito dos materiais manipuláveis no ensino da Matemática, englobando sua definição, função, contexto histórico e utilização. Após, discute-se sobre o Pibid e suas atribuições na formação de professores. A pesquisa realizada neste trabalho caracteriza-se como qualitativa, considerando e interpretando as opiniões e discursos dos bolsistas acerca do assunto. O público-alvo desta pesquisa foram os bolsistas do Pibid, subprojeto de Matemática do IFRS – Campus Caxias do Sul que lecionam ou já lecionaram na rede básica de ensino no período de 2014 - 2017. Ainda, a pesquisa ocorreu por meio de entrevistas individuais semiestruturadas, guiadas por um roteiro. Como resultado, constatou-se que, os bolsistas estiveram em constante contato com os materiais manipuláveis durante a participação no Pibid. Neste processo, os bolsistas tiveram a oportunidade de usar estes materiais com os alunos, gerando experiências em sala de aula. Pôde-se perceber que os bolsistas reconheceram e utilizaram estes recursos como um meio de auxílio no processo de ensino-aprendizagem dos alunos. Dessa maneira, identificou-se a existência de contribuições no exercício docente, bem como nas reflexões sobre o ensino da Matemática.

 

Palavras-chave: Materiais Manipuláveis. Pibid. Formação de Professores. Matemática.

 

Abstract

This paper aims to examine the contributions that the manipulable materials brought to the scholars of Matchematic teaching practices during the Pibid, with the intention to promote feedback about Mathematics Teacher Training. In this context, seeks to identify the perceptions generated by scholars during their participation on the program and on teaching practices about manipulable materials. Therefore, in the first moment it is reported about the manipulable materials at the Mathematics Teaching, including its definition, function, historical context and utilization. After, it is explained about Pibid and its role in teacher training. The research carried out in this paper is characterized as qualitative, considering and interpreting the scholars' opinions and speeches about the subject. The public target of this research were the scholars of Pibid, Mathematics subproject at IFRS – Caxias do Sul Campus,  who teach or have taught in basic education in the period from 2014 to 2017. The research took place through individual semi-structured interviews, guided by a script. The results showed that the scholars were in constant contact with manipulable materials during participation in Pibid. In this process, the scholars had the opportunity to use these materials with students, creating experiences in the classroom. Noticed that the scholars have identified and utilized these resources to aid in the teaching-learning process of the students. That way, was identified the contributions in teaching practice, as well as reflections on mathematics teaching.

 

Keywords: Manipulable Materials. Pibid. Teacher training. Mathematics.

Biografia do Autor

Kelen Berra de Mello, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Campus Caxias do Sul. RS. Brasil

Matemática

Referências

Albuquerque, I. (1964). Metodologia da Matemática. Rio de Janeiro: Conquista.

Albuquerque, L.C., & Gontijo, C.H. (2013). A complexidade da formação do professor de matemática e suas implicações para a prática docente. Rev Espaço Pedagógico, 20(1), 76-87.

Ambrosetti, N. B., Nascimento, M.G.C.A., Almeida, P.A., Calil, A.M.G.C., & Passos, L.F. (2013). Contribuições do PIBID para a formação inicial de professores: o olhar dos estudantes. Educação em Perspectiva., 4(1).

ANDRÉ, E.D.A. et al. (2010). O trabalho docente do professor formador no contexto atual das reformas e das mudanças no mundo contemporâneo. Rev Bras. Estudos Pedagógicos, 91(227), 122-143.

Bauer, M.W., Gaskell, G. (2012). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis; Vozes.

Bezerra, M.J.(1965). Didática especial de matemática. Rio de Janeiro: MEC.

Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental. Brasília: MEC.

Brasil. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. (2000). Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Ensino Médio. Brasília: MEC.

Brasil. Ministério da Educação. (2015). Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 2, de 1º de julho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial da União, Brasília, DF, de 2 de julho de 2015. Seção 1.

Brasil. Ministério da Educação. (2007). Portaria Normativa Nº 38 de 13 de dezembro de 2007, dispõe sobre o Programa de Bolsa Institucional de Iniciação à Docência – PIBID. Diário oficial da República Federativa do Brasil, Brasília.

Brasil. Ministério da Educação. (2013). Portaria Normativa nº 096 de 18 de julho de 2013: Regulamento do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. Brasília: MEC.

Brasil. Ministério da Educação. (2010). Portaria Normativa nº 260 de 30 de dezembro de 2010. Normas Gerais do Programa Institucional de Iniciação à Docência – PIBID. Brasília: MEC.

Brasil. Ministério da Educação. (2013). Diretoria de Formação de Professores da Educação Básica (DEB). Relatório de gestão – PIBID, 2013. Brasília: MEC.

Brasil. (2007). Edital: Seleção pública de propostas de projetos de iniciação à docência voltados ao Programa Institucional de Iniciação à Docência – PIBID. Brasília: MEC.

Brasil. Ministério da Educação. (2002). Parecer CNE/CES 1.302/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Matemática, Bacharelado e Licenciatura. Publicado no DOU de 5/3/2002, Seção 1, p. 15.

D'ambrósio, U. (2012). Educação Matemática: da teoria à prática. Campinas: Papirus.

Dienes, Z.P. (1970). Aprendizado moderno da matemática. Rio de Janeiro: Zahar.

Ferronato, R. (2002). A construção de instrumento de inclusão no ensino da Matemática. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina.

Fiorentini, D., & Lorenzato, S. (2012). Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas: Autores Associados.

FIORENTINI, D., & Miorim, M.Â. (1990). Uma reflexão sobre o uso de materiais concretos e jogos no ensino da Matemática. Boletim SBEM, 4(7).

Gatti, B.A. (2010). Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação e Sociedade, 31(113), 1355-1379.

Gatti, B.A. (2003). Formar professores: velhos problemas e as demandas contemporâneas. Rev. FAEEBA, 12(20), 473-477.

Gatti, B.A. (2014). Um estudo avaliativo do programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid). Textos FCC, 41, 1-120.

Gatti, B.A, Nunes, M.M.R. (2009). Formação de professores para o ensino fundamental: estudo de currículo das licenciaturas em pedagogia, língua portuguesa, matemática e ciências biológicas. São Paulo: FCC.

Gil, M. (2000). Deficiência visual. Brasília: MEC.

Gonzatti, S.E.M., Vitória, M.I.C. (2013). Formação de professores: algumas significações do pibid como política pública. Rev Cocar, 7(14), 34-42.

Lima, E.F. (2007). Sobrevivendo ao início da carreira docente e permanecendo nela. Como? Por quê? O que dizem alguns estudos. Educ. Linguagem, 10(15), 138-160.

Lorenzato, S.(2012). Laboratório de ensino da matemática e materiais didáticos manipuláveis. In: S. Lorenzato. O laboratório de ensino de matemática na formação de professores. Campinas: Autores Associados.

Ludke, M., André, M.E.D.A. (2013). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. Rio de Janeiro: E.P.U.

Mantoan, M.T.E. (2003). Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Moderna..

Matos, J.M., Serrazina, M.L. (1996). Didáctica da matemática. Lisboa, Universidade Aberta.

Micotti, M.C.O. (1999). O ensino e as propostas pedagógicas. In: M.A.V. Bicudo. Pesquisa em educação matemática: concepções e perspectivas, (pp.153-167). São Paulo: UNESP.

Nacarato, A.M. (2005). Eu trabalho primeiro no concreto. Rev. Educ. Matem., 9, 9-10.

Oliveira, A. M. N. (1983). Laboratório de ensino e aprendizagem em matemática: as razões de sua necessidade. Curitiba: Universidade Federal do Paraná.

Pais, L. C. (1996). Intuição, experiência e teoria geométrica. Zetetiké, 4(6).

PAIS, L. C. (2000). Uma análise do significado da utilização de recursos didáticos no ensino da geometria. In: REUNIÃO ANPEd, 23. Caxambu, MG: ANPEd.

Passos, C.L.B. (2012). Materiais manipuláveis como recursos didáticos na formação de professores de matemática. In: S., Lorenzato. O laboratório de ensino de matemática na formação de professores. Campinas: Autores Associados.

Pimenta, S.G. (1997). Formação de professores: Saberes da docência e identidade do professor. Revista Nuances, 3, 5-14.

Pimenta, S.G., Lima, M.S.L. (2012). Estágio e docência. São Paulo: Cortez.

Rêgo, R.M., & Rêgo, R.G. (2012). Desenvolvimento e uso de materiais didáticos no ensino da matemática. In: S., Lorenzato. (Org.). O laboratório de ensino de matemática na formação de professores. Campinas: Autores Associados.

Reys, R. (1982). Considerations for teaching using manipulative materials. Teaching made aids for elementary school mathematics. Reston: NCTM.

Rosa, M.V.F.P.C., & Arnoldi, M.A.G.C. (2008). A entrevista na pesquisa qualitativa: mecanismo para validação dos resultados. Belo horizonte: Autêntica.

Schliemann, A.D., Carraher, D.W., Carraher, T.N. (1995). Na vida dez, na escola zero. São Paulo: Cortez.

Tardif, M. (2011). Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes,

Turrioni, A.M.S., Perez, G. (2012). Implementando um laboratório de educação matemática para apoio na formação de professores. In: S. Lorenzato. O laboratório de ensino de matemática na formação de professores. Campinas, São Paulo: Autores Associados.

Vale, I. (1999). Materiais manipuláveis na sala de aula: o que se diz, o que se faz. Actas do ProfMat 99, 111-120. Lisboa: APM.

Vasconcellos, C.S. (2005). Construção do conhecimento em sala de aula. São Paulo: Libertad.

Veiga-Neto, A. (2015). Anotações sobre as relações entre teoria e prática. Rev Educ. Foco, 20(1).

Zeichner, K. (2010). Repensando as conexões entre a formação na universidade e as experiências de campo na formação de professores em faculdades e universidades. Educação, v.35, n.3, p.479-504.

Downloads

Publicado

2019-04-30

Edição

Seção

Artigos