Educação Financeira No Ensino Médio: uma Experiência Sob o Olhar da Matemática Crítica

Autores

  • Andrei Luís Berres Hartmann Universidade Federal de Santa Maria. RS, Brasil
  • Carmen Reisdoerfer Escola Básica Estadual Érico Veríssimo
  • Inês Farias Ferreira Universidade Federal de Santa Maria - UFSM
  • Rita de Cássia Pistóia Mariani Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

DOI:

https://doi.org/10.17921/2176-5634.2019v12n2p154-163

Resumo

A Educação Financeira (EF), no ambiente escolar, pode contribuir para discussões sobre padrões de compra e planejamento econômico, preparando uma geração mais consciente e sustentável financeiramente. Desse modo, considerando documentos que legislam a Educação Básica no Brasil e frente à demanda do ensino de EF nas escolas, o subprojeto Matemática do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) enfatizou essa temática sob a perspectiva da Matemática Crítica. Assim, este artigo objetiva analisar repercussões nas atitudes dos  alunos, considerando atividades didáticas elaboradas e desenvolvidas no 3º ano do Ensino Médio em uma escola pública de Santa Maria/RS. A produção de dados seguiu os princípios da pesquisa qualitativa a partir de questionários e protocolos dos alunos, relatórios escritos e diários de bordo dos Bolsistas de Iniciação à Docência (Bid) e da professora supervisora que ministrava a disciplina de Matemática nessa turma. Dentre os resultados observamos, entre os alunos, desenvolvimento de pensamento crítico em relação ao consumo, mudança no discurso e compreensão de conceitos matemáticos que podem subsidiar a tomada de decisão na perspectiva da EF. Além disso, por meio das discussões realizadas, constatamos implicações positivas no entendimento de EF da comunidade escolar e dos Bid, integrando a Matemática Escolar e EF, a partir da Matemática Crítica.

Palavras-chave: Educação Financeira. Tomada de Decisão. Matemática Crítica.


Abstract
The Financial Education (FE) in the school context can contribute to discussions on patterns of purchasing and economic planning, in order to prepare a generation which is more conscious and financially sustainable. Thus, considering the legal documents concerned the Basic Education in Brazil and in response to the demand of FE teaching in the schools, the subproject Mathematics of Teaching Initiation Scholarship Program (Pibid), of the Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) emphasized this theme under the perspective of Critical Mathematics. Therefore, this article aims at analyzing repercussions on the students’ attitudes, considering didactic activities prepared and developed in the 3rd year of the High School in a public school of Santa Maria/RS. The data production followed the principles of the qualitative research based on questionnaires and protocols of the students on one hand and on the other hand written reports and logbooks of the students who participate of the Teaching Initiation Scholarship Program and of the supervising teacher who teaches Mathematics in this class. Among the results, we observed, among students, the development of critical thinking in relation to consumption, change in the discourse and in the understanding of mathematical concepts that can support the decision making in the perspective of FE. Besides, through the discussions carried out, we found positive implications in the understanding of FE of the school community and of the students of the Teaching Initiation Scholarship Program, integrating the Mathematics as subject and FE, through Critical Mathematics.

Keywords: Financial Education. Decision-making. Critical Mathematics.

Biografia do Autor

Andrei Luís Berres Hartmann, Universidade Federal de Santa Maria. RS, Brasil

Graduando do curso de Licenciatura em Matemática da Universidade Federal de Santa Maria - UFSM, com estudos em projetos de ensino, pesquisa e extensão na área de Formação de professores e Educação Financeira.

Carmen Reisdoerfer, Escola Básica Estadual Érico Veríssimo

Mestra em Educação Matemática e Ensino de Física pela Universidade Federal de Santa Maria. Pós-graduanda em Gestão Escolar. Professora da rede estadual de ensino no Rio Grande do Sul.

Inês Farias Ferreira, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Doutora em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora lotada no Departamento de Matemática da Universidade Federal de Santa Maria – UFSM

Rita de Cássia Pistóia Mariani, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Doutora em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professora lotada no Departamento de Matemática da Universidade Federal de Santa Maria – UFSM

Referências

Almeida, R. M. & Kistemann Junior, M. A. (2016). Sobre a organização e análise de pesquisas na educação matemática brasileira em educação financeira (1999-2015). Revista de Educação, Ciências e Matemática. 6(3), 1-20.

Banco Central do Brasil. Brasil: Implementando a Estratégia Nacional de Educação Financeira. Recuperado em 23 novembro 2017, de https://www.bcb.gov.br/pre/pef/port/Estrategia_Nacional_Educacao_Financeira_ENEF.pdf

Banco Central do Brasil. (2013). Caderno de Educação Financeira – Gestão de Finanças Pessoais. Brasília: BCB.

Banco de Portugal. (2013). Todos contam. Plano Nacional de Formação Financeira. Referencial de Educação Financeira. Recuperado em 16 novembro 2017, de http://www.todoscontam.pt/SiteCollectionDocuments/ReferencialEducacaoFinanceira.pdf

Bogdan, R. C. & Biklen, K. S. (1982). Investigação qualitativa em Educação. Portugal: Porto.

Campos, A. B. & Kistemann Junior, M. A. (2013). Educação Financeira Crítica e a Tomada de decisões de Consumo de Jovens-Indivíduos-Consumidores. XVII Encontro Brasileiro de Estudantes de Pós-Graduação em Educação Matemática – EBRAPEM, Vitória, ES, Brasil.

Brasil. Ministério da Educação. (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. (3º e 4º ciclos do Ensino Fundamental). Brasília: MEC.

Brasil. Ministério da Educação. (2002). Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais + (PCN+) - Ciências da Natureza e suas Tecnologias. Brasília: MEC.

Brasil. Ministério da Educação. (2018). Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC

Brasil. Ministério das Relações Exteriores. O Brasil e a OCDE. Disponível em: http://www.itamaraty.gov.br/pt-BR/politica-externa/diplomacia-economica-comercial-e-financeira/15584-o-brasil-e-a-ocde

Chiarello, A. P. R., & Bernardi, L. S. (2015). Educação Financeira crítica: novos desafios na formação continuada de professores. Boletim GEPEM 1 (66), 31-44.

CAPES. Diretoria de Educação Básica Presencial, Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência. Portaria CAPES nº 96, de 18 de julho de 2013. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/legislacao/Portaria_096_18jul13_AprovaRegulamentoPIBID.pdf

Decreto nº 7.397, de 22 de dezembro de 2010. (2010). Institui a Estratégia Nacional de Educação Financeira - ENEF, dispõe sobre a sua gestão e dá outras providências. Brasília, DF, Brasil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7397.htm

Domingos, A. M. D., & Santiago, A. (2016). Concepções e práticas de professores de matemática sobre Educação Financeira. Revista de Educação, Ciências e Matemática, 6(3), 2-18.

Freire, P. (1972). Pedagogy of the oppressed. Nova York: Herder an Herder.

Ludke, M., & André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Miranda, C. T., Santos Junior, G. S. Pinheiro, N. A. M. & Pilatti, L. A. (2012). Educação matemática crítica: propostas de atividades de acadêmicos de licenciatura em matemática. EDUCERE 12(1), 7-36. doi: 10.25110/1.2012.4530

Mundy, S. (2008). Financial Education Programmes in school: Analysis of selected current programmes and literature draft Recommendations for best practices. OCDE Journal: General papers, 3, 1-66.

Muniz, I. (2016). Econs ou humanos? Um estudo sobre a tomada de decisão em ambientes de educação financeira escolar. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Muniz, I. J. & Jurkiewicz, S. (2016). Tomada de decisão e trocas intertemporais: uma contribuição para a construção de ambientes de Educação Financeira Escolar nas aulas de Matemática. Revista de Educação, Ciências e Matemática, 6(3),76-99 .

OECD. (2005a). Improving financial literacy: analysis of issues and policies. Disponivel em: https://www.oecd.org/daf/fin/financial-education/improvingfinancialliteracyanalysisofissuesandpolicies.htm

OECD. (2005b). Recommendation on Principles and Good Practices for Financial Education and Awareness. Directorade for Financial and Enterprice Affairs. Disponível em: http://www.oecd.org/finance/financial-education/35108560.pdf

Rio Grande do Sul. (2009). Secretaria de Estado da Educação. Departamento Pedagógico. Referenciais curriculares do estado do Rio Grande do Sul: Matemática e suas tecnologias. (Lições do Rio Grande). Porto Alegre: SE/DP.

Santos, L. T. & Pessoa, C. (2016). Atividades de Educação Financeira e orientações ao professor: uma análise à luz dos ambientes de aprendizagem de Skovsmose. Anais do VI Encontro de Pesquisa Educacional em Pernambuco, Juazeiro do Norte, CE, Brasil.

Silva, A. M. & Powell, A. B. (2013). Um programa de Educação Financeira para a Matemática Escolar da Educação Básica. Anais do XI Encontro Nacional de Educação Matemática: Retrospectivas e Perspectivas, Curitiba, PR, Brasil.

Skovsmose, O. (2001). Educação Matemática crítica: a questão da democracia. Campinas: Papirus.

Skovsmose, O. (2008). Desafios da reflexão em educação matemática crítica. Campinas: Papirus.

Downloads

Publicado

2019-09-05

Edição

Seção

Artigos