PIBID: SIGNIFICADOS NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

Autores

  • Maria Aparecida Silva de Souza Instituto Federal Espirito Santo. ES, Brasil. Pontifica Universidade Católica, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Matemática. SP, Brasil. http://orcid.org/0000-0002-8598-9959
  • Saddo Ag Almouloud Pontifica Universidade Católica, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Matemática. SP, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.17921/2176-5634.2019v12n1p3-23

Resumo

Neste artigo apresentamos um recorte de uma tese de doutoramento que insere no campo da formação inicial de professores. Nasceu das reflexões acerca do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência - PIBID no curso de Licenciatura em Matemática do IFES campus Cachoeiro de Itapemirim. O Pibid, programa proposto pelo MEC/Capes para o aperfeiçoamento e a valorização da formação de professores para a educação básica, tem por finalidade apoiar a iniciação à docência de estudantes de licenciatura, investir na formação continuada dos professores coordenadores e dos professores supervisores das escolas de educação básica, parceiras no programa, visando valorizar o magistério e contribuir para a elevação do padrão de qualidade da educação básica, pela integração entre teoria e prática e entre universidade e escola. O objetivo geral desta pesquisa foi de mostrar importância do Pibid na formação inicial e continuada de professores de matemática na percepção dos bolsistas do Pibid. Partimos do pressuposto de que o Pibid vem proporcionando aos licenciando a inserção na sala de aula, oportunizando-lhe a prática da docência no início de sua formação e aos professores coordenadores e supervisores a oportunidade de formação continuada. Na investigação utilizamos uma abordagem qualitativa com dados coletados por meio de questionário para caracterização pessoal e profissional dos participantes; entrevistas semiestruturadas com os bolsistas do Pibid: coordenadores, supervisores e alunos licenciandos em matemática; e análise documental dos relatórios do Pibid. Para a revisão de literatura, nos pautamos em constructos teóricos tais como: prática docente, profissionalização docente, trabalho docente, formação docente, ensino e saberes docentes e conhecimentos pedagógicos por autores que apresentam reflexões sobre os saberes necessários à docência, que podem ser adquiridos na formação inicial, outros por toda a vida docente. São estudos que indicam potencialidades da formação de professores e da prática docente necessária a formação inicial do professor e em especial do futuro professor de matemática. Para examinar os discursos dos bolsistas do Pibid, utilizamos a Análise de Dados Multidimensionais, empregando o método de análise de similaridade e de análise Coesitiva mediante o uso do software CHIC (Classificação Hierárquica, Implicativa e Coesitiva). Aqui apresentaremos apenas a análise de similaridade. Como primeiras análises já é possível afirmar que o significado dos impactos das ações e/ou atividades realizada pelo subprojeto de matemática do Pibid no IFES Campus Cachoeiro e nas escolas parceiras são positivos, e que para a formação inicial do professor de matemática, o Pibid tem contribuído para o seu aprimoramento, oportunizando a prática, a reflexão sobre a prática e integrando-os em atividades de pesquisa e divulgação científica.

Palavras-chave: Formação Inicial de Professores. Docência. Matemática.


Abstract
In this article we present a cut of a doctoral thesis that inserts in the field of the initial formation of teachers. It was born from the reflections about the Institutional Program of Initiation to Teaching Scholarships (Pibid) in the course of Mathematics Degree at the IFES Cachoeiro de Itapemirim campus. Pibid, a program proposed by the MEC / Capes for the improvement and enhancement of teacher training for basic education, aims to support the initiation of teaching undergraduate students, invest in the ongoing training of coordinating teachers and supervisors of schools of basic education, partners in the program, aiming to value teaching and contribute to raising the quality standard of basic education, the integration between theory and practice and between university and school. The general objective of this research was to show the importance of the Pibid in the initial and continued formation of mathematics teachers in the perception of the pibidians. We start from the assumption that the Pibid has been providing the graduates with the insertion in the classroom, giving them the practice of teaching at the beginning of their training and the coordinating teachers and supervisors the opportunity for continuous training. In the research we used a qualitative approach with data collected through a questionnaire for personal and professional characterization of the participants; semi-structured interviews with the Pibid fellows: coordinators, supervisors and graduate students in mathematics; and documentary analysis of the Pibid reports. For the literature review, we focus on theoretical constructs such as: teaching practice, teacher professionalization, teaching work, teacher training, teaching and teacher knowledge, and pedagogical knowledge by authors who reflect on the knowledge necessary for teaching that can be acquired in the initial training, others for the whole teaching life. They are studies that indicate the potential of teacher training and of the teaching practice necessary for the initial formation of the teacher and especially of the future professor of mathematics. To analyze the discourses of the pibidians, we used Multidimensional Data Analysis, using the method of analysis of similarity and Coesitive analysis using the software CHIC (Hierarchical, Implication and Coesitive Classification). Here we present only the analysis of similarity. As a first analysis it is already possible to affirm that the significance of the impacts of the actions and / or activities carried out by the Pibid math subproject at the IFES Campus Cachoeiro and the partner schools are positive, and that for the initial training of the math teacher, Pibid has contributed to their improvement, giving them practice, reflection on the practice and integrating them into scientific research and dissemination activities.

Keywords: Initial Teacher Training. Teaching. Mathematics.

Biografia do Autor

Maria Aparecida Silva de Souza, Instituto Federal Espirito Santo. ES, Brasil. Pontifica Universidade Católica, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Matemática. SP, Brasil.

Doutoranda em Educação Matemática - PUC/SP. Mestre em Ensino em Ciências da Saúde e Meio Ambiente. Fez curso de Aperfeiçoamento em Educação Matemática para EJA. Graduada em Pedagogia - Habilitação em Magistério e Supervisão Escolar pelo Centro Universitário São Camilo - Campus Cachoeiro de Itapemirim - Espírito Santo (2000). Atualmente é pedagoga do IFES - Instituto Federal do Espirito Santo, Campus Cachoeiro de Itapemirim - ES- Tutora a Distância e Professora Especialista de Metodologia de Aprendizagem em EAD no CEAD/IFES - Especialista em Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrada a Educação Básica na Modalidade de Jovens e Adultos pelo Centro Federal de Educação Profissional e Tecnológica - CEFETES - 2008. Especialista em Gestão e Docência em EaD pela UFSC - 2012-2013. Atualmente é Coordenadora Pedagógica dos Cursos de Licenciatura em Matemática, Licenciatura em Informática, Cursos Técnicos em Eletromecânica, Informática e Mineração do IFES. Pesquisa Formação de Professores, Pibid e Educação e Trabalho.

Saddo Ag Almouloud, Pontifica Universidade Católica, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Matemática. SP, Brasil.

SADDO AG ALMOULOUD CONCLUIU O DOUTORADO EM MATHEMATIQUES ET APPLICATIONS - UNIVERSITE DE RENNES I EM 1992 - FRANCÇA. ASSISTENTE DOUTOR - PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO, E ASSISTENTE DOUTOR DA FUNDAÇÃO SANTO ANDRE. CONSULTOR AD HOC DA FUNDAÇÃO DE AMPARO A PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO , DA CAPES, BOLSISTA PESQUISADOR DE CNPq, FOI COORDENADOR DO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DA PUC/SP DE 2007 À 2009. É ATUALMENTE COORDENADOR DO REFERIDO PROGRAMA DESDE 01/08/2013. FOI COORDENADOR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DA PUC/SP DE 2006 A 2017. PUBLICOU MAIS 30 ARTIGOS EM PERIÓDICOS ESPECIALIZADOS E MAIS DE 83 TRABALHOS EM ANAIS DE EVENTOS. POSSUI 5 CAPÍTULOS DE LIVROS E 12 LIVROS PUBLICADOS. POSSUI 1 SOFTWARE E MAIS DE 62 ITENS DE PRODUÇÃO TÉCNICA. PARTICIPOU DE VÁRIOS EVENTOS NO EXTERIOR E MAIS DE 112 NO BRASIL. ORIENTOU MAIS 77 DISSERTAÇÕES DE MESTRADO E TESES DE DOUTORADO NA ÁREA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA ENTRE 1996 E 2016. PARTICIPOU DE MAIS DE 200 BANCAS DE DEFESA DE DISSERTAÇÕES E DOUTORADOS. COORDENOU MAIS DE 5 PROJETOS DE PESQUISA. ATUALMENTE COORDENA 2 PROJETO DE PESQUISA. ATUA NA ÁREA DE EDUCAÇÃO, COM ENFASE EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA. É AVALIADOR DO PRÊMIO VICTOR CIVITA DESDE 2013. EM SUAS ATIVIDADES PROFISSIONAIS INTERAGIU COM MAIS 70 COLABORADORES EM CO-AUTORIAS DE TRABALHOS CIENTÍFICOS. EM SEU CURRÍCULO LATTES OS TERMOS MAIS FREQUENTES NA CONTEXTUALIZAÇÃO DA PRODUÇÃO CIENTIFICA, TECNOLÓGICA E ARTÍSTICO-CULTURAL SÃO: ENSINO-APRENDIZAGEM, GEOMETRIA, EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, MATEMÁTICA, DEMONSTRAÇÃO, ENSINO BÁSICO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES, GEOMETRIA DINÂMICA, TIC.

Referências

Almouloud, S. A. (2005). L´analyse statistitique de données multidimensionnelles: outil révélateur des conceptions d´enseignants en formation. In: Encontro CHIC, 2005, São Paulo. Anais... São Paulo.

Almouloud, S. A. (2015). O que está pode detrás do CHIC? In: Uso do CHIC na Formação de Educadores: à guisa de apresentação dos fundamentos e das pesquisas e foco. In: J. A. Valente, M. E. B. A. Rio de Janeiro: Letra Capital.

Arroio, A., Honório, K.M., Mello, P.H., Weber, K.C., & Silva, A.B.F. (2008). A prática docente na formação do pós­-graduando em Química. Química Nova, 31(7), 1888-1891.

Arroyo, M. G. (2007). Ofício de Mestre: imagens e autoimagens. Petrópolis: Vozes.

Barth, B.M. (1993). O saber em construção: para uma pedagogia da compreensão. Lisboa: Instituto Piaget.

Brasil. DEB (2013). Diretoria de Educação Básica Presencial/Capes – Relatório de Gestão 2009 – 2013.

Brasil. DEB - Diretoria de Educação Básica Presencial/Capes – Relatório de Gestão 2009 – 2013. Disponível em < https://www.capes.gov.br/images/stories/download/bolsas/2562014-relatrorio-DEB-2013-web.pdf>.

Brasil. DEB – (2014). Diretoria de Educação Básica Presencial/Capes – Relatório de Gestão 2009 – 2014. Disponível em <http://www.capes.gov.br/images/stories/download/Contas_Publicas/2015_Relatorio_de_Gestao.pdf.

Brasil. (1996). Lei Nº 9394/96 – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – 1996. Brasília. MEC.

BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Pibid. Educação básica. Brasília, DF, 2014. Disponível em: http://www.capes.gov.br/educacao-basica/55-educa-cao-basica-s/conteudo-eb.

Brasil. (2007). Parecer CNE/CES 1.302, 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Matemática, Bacharelado e Licenciatura. Disponível em http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES13022.pdf.

Brasil. (2007). Resolução n° CNE/CP 01, de 18 de fevereiro de 2002 do Conselho Nacional de Educação. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, graduação plena.

Brasil. (2007). Resolução nº CNE/CP 2, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior.

Brasil. (1998). Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Secretaria de Educação Fundamental, Brasília: MEC.

Charlot, B. (2002). Formação de professores: a pesquisa e a política educacional. In. Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez.

Charlot, B. (2005). Relação com o saber, formação de professores e globalização: questões para a educação de hoje. Porto Alegre: Artmed.

Damiani, M. F. (2008). Entendendo o ensino colaborativo em educação e revelando seus benefícios. Rev Educar, 31, 213-230.

Felício, H. M. S. (2014). O Pibid como “terceiro espaço” de formação inicial de professores - Rev. Diálogo Educ., 14(42), 415-434.

Ferreira, A.B.H. (2008). Mini Aurélio: o minidicionário da Língua Portuguesa.Curitiba: Positivo.

Ferretti, C. J. (2004). Considerações sobre a apropriação das noções de qualificação profissional pelos estudos a respeito das relações entre trabalho e educação. Educ. Soc., 25(87), 401-422.

Fiorentini, D., & Oliveira, A.T.C.C. (2013). O lugar das matemáticas na Licenciatura em Matemática: que matemáticas e que práticas formativas. Bolema 27(47),917-938. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-636X2013000400011.

Freire, P. (2014). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (2002). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Paulo. Editora Paz e Terra.

Gatti. B. A. (2009). Formação de Professores: condições e problemas atuais. Rev Bras Formação Prof, 1(1), 90-102.

Gatti, B.A. & Barreto, E.S. (2009). Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO.

Gatti, B.A. (2010). Formação de Professores no Brasil: Características e problemas. Educ. Soc., 31(113), 1355-1379.

Gatti, B. A. A formação inicial de professores para a educação básica: as licenciaturas. Revista USP, 100, 33-46

Gatti, B.A., André, M.E.D.A., Gimenes, N.A.S., & Ferragut, L. (2014). Um estudo avaliativo do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid). São Paulo: FCC/SEP.

Gatti, B. A. (2014). Formação inicial de professores para a educação básica: pesquisas e políticas educacionais Est. Aval. Educ.,25(57), 24-54.

Gatti, B. A., Barretto, E.S.S., & André, M.E.D.A. (2011). Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO.

Gonzatti, S.E.M. (2015). Contribuições do Pibid para a formação inicial de professores: a terceira margem do rio. Porto Alegre: PUC/RS.

Gras, R. (2015). O Uso do CHIC na Formação de Educadores. In: Uso do CHIC na Formação de Educadores: à guisa de apresentação dos fundamentos e das pesquisas e foco. In: J. A. Valente & M. E. B. Almeida. Rio de Janeiro: Letra Capital.

IFES. (2012) Pró-Reitoria de Ensino. Relatório Final de atividades do Pibid no IFES. Vitória

IFES. (2013) Pró-Reitoria de Ensino. Relatório Final de atividades do Pibid no IFES. Vitória – ES, 2013.

IFES. (2014). Pró-Reitoria de Ensino. Relatório Final de atividades do Pibid no IFES. Vitória

IFES. (2015). Pró-Reitoria de Ensino. Relatório Final de atividades do Pibid no IFES. Vitória

IFES. (2016). Pró-Reitoria de Ensino. Relatório Final de atividades do Pibid no IFES. Vitória.

IFES. (2017). Pró-Reitoria de Ensino. Relatório Final de atividades do Pibid no IFES. Vitória.

INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2016). Sinopse Estatística da Educação Superior 2015. Brasília: Inep, 2016.

Largo, V. (2013). O Pibid e as relações de saber na formação inicial de professores de matemática. Londrina: UEL.

Larrosa, J. (1998). La experiencia de la lectura: estudios sobre literatura y formación. Barcelona: Latertes.

Lorenzato, S. (2012). O laboratório de ensino de matemática na formação de professores. Campinas: Autores Associados.

Lüdke, M., & André, M.E.D.A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo, EPU.

Medeiros, J.L. & Pires, L.L. (2014). O Pibid no Bojo das políticas educacionais de formação de professores. Cad. Pes., 21(2).

Medeiros, M.V., & Cabral, C. L.O. (2006). Formação Docente: da teoria à prática, em uma abordagem sócio histórica. Rev E-Curriculum, 1(2).

Mello, G. N. (2000). Formação inicial de professores para a educação básica: uma (re)visão radical. São Paulo Perspec. 14(1), 98-110. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-88392000000100012.

Melo, G.F.A.M. (2005). Saberes docentes de professores de matemática em um contexto de inovação curricular. In: D, Fiorentini, & A.M., Nacarato. Cultura, formação e desenvolvimento profissional de professores que ensinam matemática: investigando e teorizando a partir da prática. São Paulo: Musa.

Minayo, M.C.S. (2002). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes.

Mishra, P., & Koehler, M. J. (2006). Technological Pedagogical Content Knowledge: a gramework for teacher knowledge. Teachers College Record, 108(6): 1017-1054.

Neves, C.M.C. (2012). A Capes e a formação de professores para a educação básica. Rev Bras Pós-Grad., 8, 353-373.

Nóvoa, A. (2013). Três bases para um modelo de formação. Gestão Escolar, 52-55.

Nóvoa, A. A. (1997). Os professores e a sua formação Lisboa: Publicações Dom Quixote..

Nóvoa, A. A. (2011). O regresso dos professores. Pinhais: Melo.

Pimenta, S.G. (2012). Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: S. G., Pimenta. Saberes pedagógicos e atividade docente, (pp.15-38). São Paulo: Cortez.

Pranke, A. (2015). Potencialização da aprendizagem autorregulada de bolsistas do Pibid/UFPel do curso de licenciatura em matemática através de oficinas pedagógicas. Bolema, 29(51), 223-240.

Rodrigues, M.U. (2016). Pibid como “Terceiro Espaço” na Formação de Professores de Matemática no Brasil. Rio Claro: Unesp.

SA, L.C., Corrêa. A.C.A., Rodrigues, R.F., Soares. A.B. (2013). Uma breve trajetória do Programa de Iniciação à Docência no IFES. Sala de Aula em Foco, 2(1), 7-9.

Santos, P.S.M.B. (2011). Guia prático da política e educacional no Brasil: ações, planos, programas e impactos. São Paulo: Cengage Learning.

Shulman, L. (1986). Those who understand: knowledge growth in teaching. Educational Researcher, 15(2), 4-14.

Shulman, L. (1987). Knowlege and teaching: foundations of the new reform. Harvard Educational Review, 57(1), 1-22.

Souza, M.C. (2012) Formação docente nas licenciaturas da Ufscar: contribuições do Pibid. Universidade Federal de São Carlos – UFSCar. Espaço Plural. 8(1), 55-69.

Tardif, M., Lessard, C., Lahaye, L. (1991). Os professores face ao saber. Esboço de uma problemática do saber docente. Teoria e Educação.

Tardif, M. (2013). Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2013.

Valente, J.A. (2015). O Uso do CHIC na Pesquisa. In: J. A. Valente, & M. E. B. A. Uso do CHIC na Formação de Educadores: à guisa de apresentação dos fundamentos e das pesquisas e foco. Rio de Janeiro: Letra Capital.

Zaqueu, A.C.M. (2014). O Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) na Formação de Professores de Matemática - perspectivas de ex-bolsistas. Mestrado em Educação Matemática Instituição de Ensino: Universidade Est.Paulista Júlio De Mesquita Filho/Rio Claro, Rio Claro Biblioteca Depositária: IGCE/UNESP.

Zeichner, K. (2010). Repensando as conexões entre a formação na universidade e as experiências de campo na formação de professores em faculdades e universidades. Educação, Santa Maria, v. 35, n. 3, p. 479-504.

Zeichner, K.M. (2003). Formando professores reflexivos para a educação centrada no aluno: possibilidades e contradições. In: Barbosa Raquel Lazzari Leite (Org) Formação de Educadores: desafios e perspectivas. Editora Unesp.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2019-04-30

Edição

Seção

Artigos