Compreensão de Escala Representada em Gráficos por Crianças e Adultos em Início de Escolarização

Autores

  • Milka Cavalcanti Universidade Federal de Pernambuco. PE, Brasil.
  • Gilda Guimarães Universidade Federal de Pernambuco. PE, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.17921/2176-5634.2019v12n2p207-220

Resumo

Representações gráficas são cada vez mais utilizadas para apresentar informações sobre os mais variados assuntos. Entretanto, crianças e adultos apresentam dificuldades para compreender essas representações, sendo a escala o maior marcador de dificuldade. Nesse artigo apresentamos uma investigação que, a partir do desempenho de crianças e adultos em início de escolarização, buscou construir uma progressão para o ensino de escalas representadas em gráficos ou o Conhecimento do Horizonte de Escala. Para tal, foi realizado um teste diagnóstico com 210 alunos que frequentavam do 1º ao 5º ano dos anos iniciais do Ensino Fundamental regular ou Módulos I a III da Educação de Jovens e Adultos. Os resultados evidenciaram que o trabalho com escala é possível de ser realizado desde o 1º ano, visto que crianças e adultos que estão inseridos em situações de alfabetização são capazes de resolver atividades envolvendo a identificação de valores na escala e a construção da mesma. Contudo, a escolaridade foi um fator importante para o desempenho dos alunos no momento de localizar valores implícitos na escala ou construir uma escala não unitária. Assim, sugerimos que ao propor uma atividade envolvendo gráficos é importante refletir sobre a gradação no nível de dificuldade da habilidade envolvida na atividade considerando na interpretação o valor estar implícito ou explícito no intervalo da escala e, na construção, a grandeza do conjunto numérico implicar uma escala diferente da unitária. Esperamos com esse trabalho contribuir tanto para nortear o ensino da Estatística nas escolas como para o desenvolvimento de processos de formação inicial e continuada de professores.

Palavras-chave: Estatística. Escala. Anos Iniciais. EJA

Abstract
Graphical representations are increasingly used to present information on the most varied subjects. However, children and adults present difficulties to understand these representations, with scale being the greatest marker of difficulty. In this article we present an investigation that, based on the performance of children and adults at the beginning of schooling, attempted to construct a progression for the teaching of scales represented in graphs or the Knowledge of Scale Horizon. For that, a diagnostic test was carried out with 210 students who attended from the 1st to 5th year of the initial years of regular primary education or Modules I to III of Youth and Adult Education. The results showed that the work with scale is possible from the 1st year, since children and adults who are inserted in situations of literacy are able to solve activities involving the identification of values in the scale and the construction of the same. However, schooling was an important factor for students’ performance in locating implied values in the scale or constructing a non-unitary scale. Thus, we suggest that when proposing an activity involving graphs it is important to reflect on the gradation in the level of difficulty of the ability involved in the activity considering in the interpretation the value is implicit or explicit in the range of the scale and, in construction, the numerical set implies a different from the unitary scale. We hope that this work will contribute both to guiding the teaching of statistics in schools and to the development of initial and continuing teacher training processes.

Keywords: Statistics. Scale. Primary School. Adults Education

Biografia do Autor

Milka Cavalcanti, Universidade Federal de Pernambuco. PE, Brasil.

Doutoranda Pós-Graduação em Educação Matemática e Tecnológica - EDUMATEC - Universidade Federal de Pernambuco - UFPE.

Educação

Gilda Guimarães, Universidade Federal de Pernambuco. PE, Brasil.

Professora da Pós-Graduação em Educação Matemática e Tecnológica - EDUMATEC - Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Referências

Ainley, J. (2000). Exploring the transparency of graphs and graphing. Proceeding of 24nd Annual Meeting of the International Group for the Psychology of Mathematics Education, South Africa.

Amorim, N. & Guimarães, G. (2017). Statistics education in textbooks: Brazil’s National Textbook Program and the teachers’ manuals. Proceeding of II International Conference on Mathematics Textbook Research and Development – ICMT, Rio de Janeiro.

Arteaga, P; Batanero & Ruiz, B. (2008). Complejidad semiótica de gráficos estadísticos en La comparación de dos distribuciones por futuros profesores. Anais do XII Simposio de la Sociedad Española de Educación Matemática, Badajoz.

Arteaga, P; Batanero, C. & Cañadas, G. (2012). Evaluación del conocimiento especializado de La Estadística en futuros profesores en una tarea abierta. Investigación en Educación Matemática. XVI. p.135 – 143

Ball, D.L.; Thames, M.H. & Phelps, G. (2008). Content Knowledge for Teaching: what makes it special? Journal of Teacher Educacion, v.59 n.5. p. 389-407

Bivar, D. & Selva, A. (2011). Analisando atividades envolvendo gráficos e tabelas nos livros didáticos de matemática das séries iniciais. Anais da XIII Conferencia Interamericana de Educación Matemática - CIAEM, Recife, Brasil.

Borba, R. (2016). Combinando na vida e na escola: limites e possibilidades. Anais do XIII Encontro Nacional de Educação Matemática – ENEM, São Paulo, 2016.

Brasil. (1997). Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática, Ensino de 1a à 4a série. Brasília, MEC/ SEF.

Brasil. (2014). Ministério da Educação. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: Educação Estatística. Brasília.

Brasil. (2015). Ministério da Educação, Secretária de Educação Básica Guia de livros didáticos: PNLD 2016: Alfabetização Matemática e Matemática: ensino fundamental anos iniciais. – Brasília.

Brasil. (2017). Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC.

Carrapa, D. Isto não é jornalismo: o que há de errado com esta imagem? Disponível em: http://abarrigadeumarquitecto.blogspot.com.br/2016/05/isto-nao-e-jornalismo-o-que-ha-de.html. Acesso em: 06/05/2016.

Cavalcanti, M. & Guimarães, G. (2016). Compreensão de Adultos e Crianças sobre Escala Representada em Gráficos. Perspectivas da Educação Matemática, v.9. p.849 – 868

Cavalcanti, M.; Natrielli, K.R. & Guimarães, G. (2010). Gráficos na Mídia Impressa. Boletim de Educação Matemática – Bolema, v.23. p.733 – 752

Curi, E. (2016). Aprendizagens na vida e na escola: estudo sobre o ensino de geometria. Anais do XIII Encontro Nacional de Educação Matemática – ENEM, São Paulo.

Díaz, D; Batanero, C; Arteaga, P. & Serrano, M. (2015). Análisis de gráficos estadísticos em libros de texto de educación primaria española. Revista Iberoamericana de Educação Matemática – UNIÓN. no 44. p. 90-112

Evangelista, B. & Guimarães, G. (2013). Análise de atividade de livros didáticos de matemática do 4º e 5º ano que exploram o conceito de escala. Anais do VII Congreso Iberomericano de Educación Matemática – CIBEM, Montevideo, 2013.

Evangelista, B. & Guimarães, G. (2015). Escalas representadas em gráficos: um estudo de intervenção com alunos do 5º ano. Revista Portuguesa de Educação, v.28. p.117 – 138

Friel, S., Curcio, F. & Bright, G. (2001). Making Sense of Graphs: critical factors influencing comprehension and instructional implications. Journal for Research in Mathematics Education, 32(2). 124-158

Guimarães, G. (2016). Aprendizagens na vida e na escola: estatística nos anos iniciais. Anais do XII Encontro Nacional de Educação Matemática - SIPEM, São Paulo.

Guimarães, G.; Gitirana, V. & Roazzi, A. (2001). Interpretando e construindo gráficos. Anais da 24a Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa - ANPED, Caxambu.

Guimarães, G., Gitirana, V., Cavalcanti, M. & Marques, M. (2007). Livros didáticos de matemática nos anos iniciais: análise das atividades sobre gráficos e tabelas. Anais do IX Encontro Nacional de Educação Matemática – ENEM, Belo Horizonte.

Guimarães, G. & Oliveira, I. (2014). Construção e interpretação de gráficos e tabelas. Ministério da Educação, Secretária de Educação - Pacto nacional pela alfabetização na idade certa: Educação Estatística. Brasília, v. 07, p. 21-38.

INAF – Indicador nacional de alfabetismo funcional. Ação Educativa, São Paulo, 2016. Disponível em: http://acaoeducativa.org.br/wp-content/uploads/2016/09/INAFEstudosEspeciais_2016_Letramento_e_Mundo_do_Trabalho.pdf.

Lemos, P. & Gitirana, V. (2007). Interpretação de gráficos de barras: analise a priori enquanto recurso na formação de professores. Anais do IX Encontro Nacional de Educação Matemática – ENEM, Belo Horizonte.

Lima, A.; Ribeiro, V. & Catelli Jr., R. (Org.) (2016). Indicador de alfabetismo funcional – INAF: Estudo especial sobre alfabetismo e mundo do trabalho. Instituto Paulo Montenegro e Ação Educativa.

Lima & Magina, S. (2004). A leitura de gráficos com crianças da 4ª série do Ensino Fundamental. Anais do VIII Encontro Nacional de Educação Matemática – ENEM, Recife.

Lima, A.; Silva, E; Rodrigues, J. & Feitoza, L. (2006). Interpretação e construção de gráficos de barras. Pôster apresentado no Curso de Pedagogia da UFPE, Pernambuco.

Lima, I. & Selva, A. (2010). Investigando o desempenho de jovens e adultos na construção e interpretação de gráficos. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática e Tecnológica da UFPE. Recife: UFPE.

Monteiro, C. E. & Selva, A. (2001). Investigando a Atividade de Interpretação de Gráficos entre professores do Ensino Fundamental. Anais da 24ª Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação – Anped, Caxambu/MG.

Patrocínio, A. & Guimarães, G. (2007). Relação entre representações gráficas e escolarização. Anais do IX Encontro Nacional de Educação Matemática – ENEM, Belo Horizonte.

Rossini, R. (2006). Saberes docentes sobre o tema Função: uma investigação das praxeologias. Tese de Doutorado em Educação Matemática da Pontifícia Universidade Católica. São Paulo.

Shaughnessy, J., Garfield, J. & Greer, B. (1996). Data Handling. In A. Bishop et al. (Eds.), International handbook on mathematics education, Netherlands: Kluwer. 205-237

Schneider, J. & Andreis, R. (2014) Contribuições do ensino de estatística na formação cidadã do aluno da Educação Básica. Universidade comunitária da região de Chapecó - Curso de Pós-graduação (lato sensu) em instrumentação estatística.

Selva, A. (2003). Um experimento de ensino sobre a resolução de problemas de estrutura aditiva a partir de gráficos de barras. Anais da 26a Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa - ANPED, Caxambu.

Silva, F., Amaral, F., Albuquerque, J. & Oliveira, L. (2006). Gráficos: importante ou determinante, na avaliação do professor. Pôster apresentado no Curso de Pedagogia da UFPE, Pernambuco.

Tierney, C. & Nemirovsky, R. (1991). Children’s spontaneous representations of changing situations. Hands on!, 14, (2), 7-10.

Tierney, Weinberg & Nemirovsky (1992). Telling Stories Plant Growth: Fourth Grade Students Interpret Graphs. Proceedings of XVI of de Annual Meeting of the International Group for the Psychology of Mathematics Education, (PME, N. H., USA).

Vanin, V. R. Gráficos, Proporções e Variações Proporcionais. (2009). Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2565417/mod_resource/content/3/TExto%20complementar%201.pdf. Acesso em: 18 mai.2017.

Vieira, F.; Ribeiro, J. & Pessoa, K. (2012). A Escola é Nossa: alfabetização matemática. 2º ano. São Paulo: Scipione.

Downloads

Publicado

2019-09-05

Edição

Seção

Artigos