O Cotidiano, o Científico e a Modelagem Matemática: Relações Complexas

Autores

  • Lênio Fernandes Levy Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências Exatas e Naturais. PA, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.17921/2176-5634.2018v11n2p172-177

Resumo

No presente artigo, defende-se a ideia de que processos cotidianos podem, com o decorrer do tempo, transformar-se a ponto de originarem-se processos científicos correlatos, e vice-versa, havendo, nesse sentido, um dialogismo antagônico/contraditório e, concomitantemente, complementar, portanto complexo; dialogismo esse que se estende à interface que denota relações entre o ensino espontâneo e o ensino pautado por sistematizações. Além do citado diálogo, argumenta-se, neste artigo, em prol de uma circularidade agregando causas e efeitos, de tal modo que a causa gera o efeito, que retroage sobre a causa, (re)gerando-a ou contribuindo para a sua (re)geração. A referida circularidade é igualmente complexa, havendo, entre outras, ingerências causais de alguns aspectos do ensino cotidiano no bojo do ensino dito formal, e vice-versa. Levando-se em consideração os princípios complexos dialógico e recursivo, nas próximas laudas (i) admite-se a possibilidade de transformações nas tendências metodológicas já existentes em Educação Matemática, a exemplo de transformações a que a Modelagem Matemática no Ensino é suscetível; bem como (ii) admite-se a possibilidade do surgimento e do desenvolvimento de tendências inéditas em Educação Matemática, enfatizando-se, em ambas as eventuais situações, processos didáticos cotidianos e científicos que se relacionem e que se modifiquem reciprocamente com o passar do tempo.

Palavras-chave: Cotidiano. Sistematizado. Ensino. Modelagem. Complexidade.

Abstract
In the present article, we defend the idea that everyday processes may, over time, be transformed to the point of the origin of correlated scientific processes, and vice-versa. There is, in this sense, an antagonistic/contradictory dialogism and, concomitantly, complementary, therefore complex; this dialogism extends to the interface which denotes the relationships between spontaneous teaching and teaching guided by systematizations. In addition to the aforementioned dialogue, we argue, in this article, in favor of a circularity that englobes causes and effects, in such a way that the cause generates the effect, that (the effect) acts on the cause, regenerating the cause or contributing to its regenation. This circularity is also complex, and there are, among others, causal interferences of some aspects of everyday teaching in the sphere of formal education, and vice-versa. Taking into account the dialogical (complex) principle and the recursive (complex) principle, in the next pages (i) we admit the possibility of transformations take place in existing methodological tendencies in Mathematical Education, such as transformations to which Mathematical Modeling in Teaching is susceptible; as well as (ii) we admit the possibility of the emergence and the development of unprecedented tendencies in Mathematical Education, emphasizing, in these two possible situations, the everyday didactic processes and the scientific didactic processes that relate to one another and that modify each other over time.

Keywords: Everyday. Systematized. Teaching. Modeling. Complexity.

Biografia do Autor

Lênio Fernandes Levy, Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências Exatas e Naturais. PA, Brasil.

Sou Licenciado em Matemática (UFPA - 1990), além de Mestre (UFPA - 2003) e Doutor (UFPA - 2013) em Educação Matemática. Atualmente, trabalho como docente (efetivo - Prof. Adjunto III - regime de dedicação exclusiva) no Instituto de Ciências Exatas e Naturais (ICEN) da UFPA.

Referências

Almeida, L. W., Silva, K. P., & Vertuan, R. E. (2016). Modelagem

matemática na educação básica. São Paulo: Contexto.

Barbosa, J. C. (2007). A prática dos alunos no ambiente de

modelagem matemática: o esboço de uma framework. In:

J. C., Barbosa, A. D., Caldeira, & J.L. Araújo. Modelagem

matemática na educação matemática brasileira: pesquisas e

práticas educacionais, pp.161-174. Recife: SBEM..

Biembengut, M.S.; Hein, N. (2000). Modelagem matemática no

ensino. São Paulo: Contexto.

Biembengut, M. S. (2016). Modelagem na educação matemática

e na ciência. São Paulo: Livraria da Física.

Boyer, C. B. (1974). História da matemática. São Paulo: Edgard

Blücher.

Morin, E. (1999). O método 3: o conhecimento do conhecimento.

Porto Alegre: Sulina.

Morin, E. (2002). O método 4: as ideias – habitat, vida, costumes,

organização. Porto Alegre: Sulina.

Morin, E., Ciurana, E. R., & Motta, R. D. (2003). Educar na

era planetária: o pensamento complexo como método de

aprendizagem pelo erro e incerteza humana. São Paulo:

Cortez.

Tunes, E. (1995). Os conceitos científicos e o desenvolvimento

do pensamento verbal. In: Oliveira, M. K. (Org.). Implicações

pedagógicas do modelo histórico-cultural, pp.29-39.

Campinas: Papirus.

Downloads

Publicado

2018-07-30

Edição

Seção

Artigos